sexta-feira, 6 de agosto de 2010

HADDAD E O ENEM



Haddad e o Enem

(Editorial da FOLHA DE S.PAULO)


O país deveria estar debatendo o Plano Nacional de Educação que o MEC promete enviar ao Congresso até o final do ano. Não é trivial -o ministro Fernando Haddad pretende reduzir os 295 objetivos do plano prolixo a 25 metas que a população possa memorizar.
Em lugar dessas prioridades, contudo, discute-se a sexta falha grave relacionada ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).
Haddad lançou uma série de projetos para pôr a educação pública brasileira nos trilhos. Um deles é transformar o Enem no filtro principal de acesso ao ensino superior, aposentando os famigerados vestibulares. Até o momento deu quase tudo errado, desacreditando uma iniciativa com méritos.
Em setembro passado, a divulgação de locais de exame indicava que alguns candidatos fariam a prova a até 50 km de suas casas. Pouco tempo depois, o jornal "O Estado de S. Paulo" noticiou o vazamento das questões da prova, impondo seu adiamento. Realizado o exame, divulgou-se um gabarito errado.
Em fevereiro, o MEC corrigiu notas erradas de 900 participantes. No mês seguinte, o sistema Sisu de colocação de candidatos em universidades federais convocava para matrícula candidatos não classificados. Agora, descobre-se que dados sigilosos de 12 milhões de estudantes ficaram desprotegidos e disponíveis na internet.
São falhas amadoras, inadmissíveis numa instituição como o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, órgão do MEC encarregado do Enem). Quem administra os projetos e as expectativas dessa legião de jovens não pode cometer erros tão primários.
Tenha ou não havido má-fé, o Inep necessita de um choque de responsabilidade e reciclagem técnica. Substituir o presidente, como se fez em dezembro, não resultou suficiente para pôr fim ao descalabro. Haddad deve satisfações mais completas aos milhões de estudantes que entregaram seus dados e futuro à confiança do ministério que ele chefia.

Um comentário:

Edvaldo Oliveira PET Geologia-UFMT disse...

Enquanto não vem notícias sobre a reunião olha o que aconteceu hoje
* Matéria publicada no site da UFMT*
"
Publicado edital de seleção para 300 novos
grupos do Programa de Educação Tutorial

O Programa de Educação Tutoria (PET), na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), conta com cinco grupos ligados aos cursos de Educação Física, Engenharia Florestal, Geografia, Geologia e Pedagogia, nos quais têm a efetiva participação de 60 alunos bolsistas, 15 voluntários e cinco tutores que desempenham atividades de ensino, pesquisa e extensão.

A Educação tutorial tem se destacado como uma das alavancas que contribui para a elevação da qualidade da formação universitária e conseqüentemente da Educação Superior. Nesse sentido, foi publicado no Diário Oficial da União, desta segunda-feira (2), o Edital SESu/MEC 9, disponível em www.sigproj.gov.br, para a seleção de 300 novos grupos do Programa de Educação Tutorial. Esse edital, por meio das recentes mudanças de base normativa do PET (conforme Portaria MEC nº. 976, de 27 de julho de 2010, publicada na DOU em 28/07/2010, páginas 103 e 104), abre a possibilidade de implementação de novas abordagens de realização de educação tutorial dentro do contexto PET. Os novos grupos poderão também trabalhar com temas interdisciplinares ou vinculados a programas e ações institucionais que visem à inclusão e inserção à vida universitária de estudantes da educação no campo e licenciaturas para comunidades quilombolas e indígenas ou ainda a partir dos grupos conexões de saberes que já existem nas instituições.
"