sábado, 31 de janeiro de 2009

DIPES/SESu À ESPERA DE NOVO(A) DIRIGENTE




A Sra. Viviane Vianna não está mais à frente do DIPES/SESu e, parece, que há vários meses. Isso explicaria, em parte, o comportamento omisso do Ministério em fazer cumprir legalmente a freqüência das reuniões anuais do CONSELHO SUPERIOR (CS) do PET. Em todo 2008, somente uma reunião foi agendada.

A desculpa apresentada pelo MEC para a não convocação do CS foi a de que vários membros do Conselho não tinham "agenda".
Huuummmmmm... : o tempo nos deu razão!

PLANEJAMENTO PET: DATA FATAL CHEGANDO, MAS ...



A data para o envio dos Planejamentos Anuais dos grupos PET está chegando, porém, até o momento nenhum grupo recebeu as Avaliações dos Relatórios Anuais de 2007.

A pergunta que fica no ar é: como se pode planejar sem saber o que está em conformidade com os parâmetros da avaliação e o que conflita com aquilo que deveria ser esperado?

Em síntese: os eternos problemas de gestão do PET na SESu! A propósito: a responsável pelo Programa PET, Sra. Viviane Vianna, não está mais à frente da gestão do DIPES/SESu. O departamento encontra-se, pois, acéfalo.

MORRE UM BRASILEIRO ÍMPAR


Morre dono da antiga fábrica de carros Gurgel

Morreu na noite de sexta-feira João Augusto Conrado do Amaral Gurgel, 83 anos, dono da fábrica brasileira de carros Gurgel, que deixou de produzir veículos em 1994. Ele estava internado no hospital São Luiz, na zona sul de São Paulo, e sofria de Mal de Alzheimer.
O corpo do empresário será enterrado às 13h neste sábado no Cemitério do Morumbi, também na zona sul da capital.
Fundada em 1969 em Rio Claro (SP), a Gurgel produziu o primeiro automóvel totalmente brasileiro. O engenheiro começou sua história na indústria automobilística com carros infantis.
O primeiro modelo de veículo da marca foi um bugue chamado Ipanema. Os carros da Gurgel usavam plástico reforçado com fibra de vidro.
Em entrevista ao Estado de S. Paulo em 2005, a filha de Gurgel, Maria Cristina, afirmou que em 21 anos de produção, a marca colocou 40 mil carros no mercado. Para ela, o que levou à falência da empresa foram, entre outras coisas, os empréstimos pedidos que não saíram. "Acho que foram vários fatores, desde os salários atrasados até os empréstimos que não saíram", disse ela ao jornal.
Maria Crstina lembrou, na época, da posição contrária de João Augusto Gurgel ao Proálcool, por acreditar que o campo deveria produzir comida, não combustível - como ocorre com a cana-de-açúcar, por exemplo.
Segundo ela, a solução de seu pai contra a crise do petróleo no final dos anos 80 e início dos 90 foi a criação do BR-800, equipado com 800 cilindradas em motor de dois cilindros e capaz de fazer 15km/l. Foi com esse modelo que Gurgel conseguiu que o governo reduzisse o Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) para carro econômico.
Apesar de sua oposição ao carro a álcool, o engenheiro produzia modelos abastecidos com esse combustível. Na década de 80, os consumidores poderiam optar pelo motor, que também poderia ser à gasolina.

(do Portal TERRA)

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

SOBRE O PAGAMENTO DAS BOLSAS



O Prof. DANTE BARONE, em contato com a SESu, foi informado que o pagamento das bolsas pelo novo sistema de cadastramento de bolsistas pela plataforma FNDE se dará até o dia 05 de fevereiro próximo.

Estamos de olho!

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

PARA REFLETIR: SOBRE AS ORIGENS DO ESQUECIMENTO



Deu na Folha de S.Paulo: Apenas 35% sabem dizer o que foram as Diretas-Já
A maior parte da população (57%) diz ter ouvido falar das Diretas-Já. Mas, mesmo dentro desse grupo de brasileiros, apenas 35% sabem dizer exatamente o que foi o movimento, ao declararem que foi a luta pelo voto direto, pelo direito de votar ou de escolher o presidente/governante.
Outras respostas também se aproximaram do tema. Para 5% dos entrevistados, foi um "movimento pela democracia e contra a ditadura". A resposta "campanha para acabar com o governo militar" atingiu 2%. Por outro lado, ainda dentro do universo dos que declararam já ter ouvido falar das Diretas, 39% não souberam responder o que foi, e 5% disseram que foi o movimento pelo impeachment do presidente Collor.
"O interessante é que o maior desconhecimento está entre os mais jovens, que hoje, poderíamos dizer, são beneficiários das conquistas das Diretas, justamente o direito ao voto", diz Mauro Paulino, diretor do Datafolha. Mas os mais jovens também estão entre os que têm maior apreço pela democracia. "Não ter ouvido falar do movimento não significa alienação dos mais jovens", diz Paulino.
Entre os entrevistados de 16 a 24 anos, 60% disseram nunca ter ouvido falar das Diretas, enquanto que entre os que têm entre 25 e 34 anos a resposta atingiu 44%. Por outro lado, 70% dos entrevistados na faixa dos 35 e 44 anos disseram ter ouvido falar do movimento. "É a geração que viveu as Diretas", diz Paulino. Entre aqueles que têm entre 45 e 59 anos, 65% disseram ter ouvido falar.

(do BLOG do NOBLAT)

sábado, 24 de janeiro de 2009

MAB - EXTRA EXTRA!


MEC institui programa para incentivar mobilidade acadêmica entre instituições federais de ensino superior

Medida permite que alunos e professores vinculados a uma universidade federal cursem e ministrem disciplinas em outras instituições

De acordo com a portaria do MEC publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (23/1), o "Programa Mobilidade Acadêmica Brasil - MAB", instituído no âmbito da Secretaria de Educação Superior (SESu) e da Capes, tem o objetivo de fomentar a cooperação técnico-científica entre as Instituições Federais de Ensino Superior – (Ifes).

Entende-se por mobilidade acadêmica entre Ifes a possibilidade efetiva de alunos e professores vinculados a uma universidade federal cursarem (no caso de discentes) e ministrarem (no caso de docentes) disciplinas em instituições similares.

O programa também permite, complementarmente, que alunos e professores desenvolvam atividades de pesquisa e de extensão, dentro de um curso equivalente, no qual terão asseguradas as mesmas condições, direitos e garantias gozadas por um estudante regularmente matriculado ou por docente em efetivo exercício na universidade que os receberá.

Para o reitor da Universidade Federal de Goiás (UFG) e vice-presidente da Andifes, Edward Brasil, a medida é muito bem-vinda. “O incentivo à mobilidade é um dispositivo que ajuda a construir uma unidade nacional das instituições federais de ensino superior. É fundamental, principalmente para os alunos, conhecer não só a parte acadêmica de outras universidades, mas também a cultura de diferentes regiões”, avalia.

A Andifes mantém, desde 2003, o Programa de Mobilidade Estudantil (PME), instituído por meio de um convênio com as Ifes. Edward Brasil ressalta a importância do apoio do governo federal a este tipo de iniciativa. “Temos experiências muito saudáveis no âmbito do PME, mas em número menor do que gostaríamos”, reflete. O principal gargalo, segundo o vice-presidente da Andifes, é a falta de recursos para custear as despesas dos estudantes, que precisam arcar com todos os gastos.

Segundo a Assessoria de Imprensa da Sesu, o programa MAB prevê uma ajuda de custo para alunos e professores, incluindo pagamento de passagens e concessão de bolsas durante a permanência dos interessados. Anualmente, dependendo da disponibilidade orçamentária, será divulgado edital para convocar as Ifes a apresentarem propostas para o MAB.

As Ifes participantes deverão controlar o rendimento acadêmico e reconhecer os créditos cursados pelo estudante mobilizado, bem como controlar a freqüência dos professores e dos alunos em mobilidade.

Um comitê gestor deverá assessorar a SESu e a Capes nas questões relacionadas à execução do programa. O grupo será composto por dois representantes da SESu, dois representantes da Capes e por um representante indicado pelo Fórum Nacional dos Pró-Reitores de Graduação, a serem nomeados pelo ministro da Educação.(Daniela Oliveira)

[In: JC e-mail 3687, de 23 de Janeiro de 2009]

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009



A redação do Blog PETBRASIL recebeu as dúvidas de alguns petianos a respeito do cadastramento de alunos e tutores para recebimento de bolsas em conta corrente.
Segundo informações contidas no ofício da SESu e de informações repassadas à CENAPET, esclarecemos que:

- o cadastramento deverá ser feito exclusivamente pelo interlocutor dos grupos em cada IES (informante cadastrado desde a chamada do MEC ano passado);

- o preenchimento se dá na plataforma SGB do FNDE (a plataforma está funcionando como foi relatado por alguns interlocutores);

- dados cruciais deverão entrar ali (nome, RG, CPF, nomes de pai e mãe, endereço, telefone, email, grupo, etc.);

- a data final de preenchimento é de 23/01/2009 (não sabemos o que ocorrerá caso o cadastro não seja realizado por completo - sabemos da dificuldade de contactar alunos e professores nesta época);

- espera-se que, uma vez cadastrados, os bolsistas já recebam esse mês em conta corrente mediante retirada do provento em caixa da agência cadastrada na plataforma SGB.
- espera-se, finalmente, que o incômodo item "bolsas atrasadas" seja definitivamente um capítulo superado na atribulada história da gestão do Programa.

MUDANÇA EM GUANTANAMO?!



Esperemos que as mudanças de Obama, pelo menos em Guantanamo, não sejam somente cosméticas, como sugere Banksy ...

6 MESES DE ANIVERSÁRIO



(O Blog PETBRASIL completa seis meses de nascimento. Parabéns à toda comunidade petiana que tem prestigiado esse veículo de comunicação)

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

URGENTE: BRASÍLIA!!! CADASTRAMENTO DE BOLSISTAS PARA PAGAMENTO EM CONTA CORRENTE!


(clique duas vezes nas figuras para abrir cada um dos ofícios do MEC-SESu)

"SE EU TE ESQUECER, JERUSALÉM ..."



Presidente da CENAPET fala sobre a ofensiva israelense em Gaza:

Redação: Professor, sabemos que o Sr. residiu em Israel durante os anos 90. Qual sua impressão sobre a guerra que flagela a faixa de Gaza? Poderia nos falar sobre isso?

M.C.D.N: Entre 1991 e 1992 fiz um curso de especialização em Educação para a Ciência em Israel, hospedado num kibutz em Jerusalém, na fronteira da Cisjordânia Ocupada. Da colina do kibutz, podíamos ver Belém e toda a Jerusalém. Ao redor da edificação haviam trincheiras de três guerras: da libertação dos ingleses, dos 6 dias e do Yom Kippur. Muitas das terras ainda estavam minadas. Pela estrada, esqueletos de tanques e carros armados atestavam quase cinco décadas de extrema violência.
Fui para lá somente seis meses após a primeira guerra do Iraque, quando Saddam bombardeou Jerusalém e Tel Aviv com vários mísseis Scuds, e logo após a primeira Intifada tanto na Cisjordânia quanto na Faixa de Gaza.
Durante o período que lá permaneci conversava tanto com israelenses quanto com palestinos. Encontrei ali os vários matizes humanos (de ambos os lados): do moderado aos radicais judeus e palestinos. Um exemplo deste último grupo foi um motorista que orava durante a guerra do Iraque que um Scud aniquilasse a parte judaica de Jerusalém. Disse que aquilo poderia matá-lo também. A resposta: “não importa, seria para um bem maior”. Do outro lado do extremismo, conversei com extremistas judeus, do bairro de Mea Shearim, que sequer reconheciam o próprio Estado de Israel (que deverá ser reconhecido, para eles, quando retornar o Messias). Queriam o crescimento dos assentamentos judeus em terras palestinas.
Espremidos entre estes dois radicalismos, os moderados falavam de um Estado compartilhado com a capital Jerusalém co-administrada.
Porém, as vozes de uma guerra santa, por Alá ou por um Messias desconhecido eram mais retumbantes.
Da colina do Kibutz fitava a linha do horizonte, onde se encontravam as ruínas do Herodium, um antigo palácio romano de época anterior a Cristo. Queria visitá-lo, mas o turismo ali era proibido por ser na Cisjordânia e pelo perigo da Intifada. Resolvi, eu e mais um colega, cobrir à pé os 30 km que separavam o kibutz das ruínas. Encontramos palestinos, pastores de cabras e cultivadores de oliveiras em todo trajeto, assim como soldados israelenses em jipes militares.
Fomos saudados por todos, com olhos curiosos. Pelo caminho, fui recolhendo cápsulas não disparadas de fuzis e metralhadoras e um ôbus de guerra detonado.
O material serviu para a confecção de uma pequena escultura, “Mãe com a criança morta”, baseado no quadro Guernica de Pablo Picasso, que, posteriormente foi doada ao Centro Aharon Ofri do Ministério de Relações Exteriores de Israel.
Após todo esse período, dirigi-me de ônibus de linha para o Egito passando pela Faixa de Gaza na Fronteira de Raffah. Pela estrada, dezenas e dezenas de crianças palestinas reduzidas à mendicância. Os ônibus, em comboio, protegidos à frente e à retaguarda por veículos militares israelenses escoltaram-nos até a fronteira egípcia.
Da experiência, restou a forte impressão que muitas guerras e milhares de mortes ainda ocorrerão para descobrir que, ao final, todos gostariam de viver em paz como bons vizinhos, como bons amigos, divididos tão somente por uma ideologia que deveria colorir a vida e não aniquilá-la para sempre.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

...


"Prefiro a paz mais injusta à mais justa das guerras. "( Cícero )

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

POR QUEM MORREM AS CRIANÇAS?!? (no words ... just silence ...)


EXTRA-EXTRA: SESU REQUISITA CADASTRAMENTO DE TUTORES E ALUNOS



(FAÇA DUPLO CLICK SOBRE A IMAGEM PARA LER O OFÍCIO 2/2008)

BILHÕES E BILHÕES ...



Orçamento do Ministério da Educação aumenta em R$ 9 bilhões e é o maior de sua história


Com o maior orçamento de sua história, de R$ 40,5 bilhões, cerca de R$ 9 bilhões a mais do que no ano passado, o Ministério da Educação começa 2009 com uma série de desafios. Caberá à pasta manter a complementação da União ao ensino fundamental, por meio do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), e oferecer ajuda extra aos Estados para uma renovação e expansão do ensino médio, atualmente em crise.

Além disso, o ministério precisa ainda manter a expansão das universidades federais, que duplicaram vagas e abriram novos campi, colocar em funcionamento um sistema de formação de professores e promover a criação de novos centros tecnológicos.

Para tudo isso, a proporção de gastos entre o ensino básico e a educação superior, atualmente em R$ 6,50 para R$ 1 - ou seja, a cada R$ 6,50 gastos no sistema de universidades federais e centros tecnológicos, R$ 1 é destinado para ensino fundamental e médio - será mantida.

Além disso, o ministério precisa ainda manter a expansão das universidades federais, que duplicaram vagas e abriram novos campi, colocar em funcionamento um sistema de formação de professores e promover a criação de novos centros tecnológicos.

Para tudo isso, a proporção de gastos entre o ensino básico e a educação superior, atualmente em R$ 6,50 para R$ 1 - ou seja, a cada R$ 6,50 gastos no sistema de universidades federais e centros tecnológicos, R$ 1 é destinado para ensino fundamental e médio - será mantida.

O objetivo a médio e longo prazo, no entanto, é reduzir esses valores, chegando a um equilíbrio maior de investimentos. Segundo o ministro, o dado mais concreto da execução orçamentária deste ano é a complementação ao Fundeb, que atingirá R$ 5,2 bilhões, dez vezes mais do que a média dos últimos anos do Fundef (o fundo que existia anteriormente e tinha como meta a expansão do ensino fundamental).

Os novos câmpus federais deverão consumir cerca de R$ 16 bilhões e as escolas técnicas devem receber R$ 2 bilhões.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

sábado, 10 de janeiro de 2009

DIVULGAÇÃO: ENEPET 2009


As inscrições para o VIII Encontro Nordestino dos Grupos PET, que ocorrerá em São Luis de 17 a 21 de abril de 2009, já está disponível no Link http://petcomp.deinf.ufma.br/enepet2009/

O encerramento das submissões dos trabalhos será em 10/02/2009.

As inscrições serão feitas até o dia do evento sendo que os valores promocionais serão somente nos prazos estipulados no site.

O VIII ENEPET será realizado na Universidade Federal do Maranhão – UFMA que, no momento, conta com 6 grupos nos cursos: Biblioteconomia, Biologia, Ciência da Computação, Ciências Sociais, Direito e Física.

O tema do VIII ENEPET será "Políticas Públicas e Sustentabilidade no Contexto do Programa de Educação Tutorial" que surge como um tema de grande relevância sobre as questões urgentes do Programa, sentido que as políticas públicas são instrumentos de mudanças sociais, e que o Programa de Educação Tutorial, enquanto estratégia para o fortalecimento do ensino, pesquisa e extensão, representa um mecanismo de contínua transformação social e promoção do bem estar da população ao nível regional, visando ainda discutir os avanços acadêmicos e as dificuldades encontradas pelos grupos da região.Mais informações pelo email enepet2009@gmail.com

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

GLOBALIZAÇÃO E GUERRA II (no words...)



(By Alexsander Kosolapov)

GLOBALIZAÇÃO E GUERRA I (no words ...)

(By Banksy)

DIVULGAÇÃO: 3o. ENAPET GEO


Lançada ATA do 3o. ENAPET GEO

DIVULGAÇÃO: REVISTA "PARA ONDE!?" 3a. EDIÇÃO


A 3ª edição da Revista Para Onde!?, do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, já está disponível em: www.ufrgs.br/revistaparaonde.

A Comissão Editorial aproveita para anunciar que já está aberta a chamada de artigos para a 4ª edição. As normas estão no site.

DIVULGAÇÃO: REVISTA VETOR 2a. EDIÇÃO



Segunda edição da Revista Vetor no ar!
A segunda edição da Revista Vetor traz para os leitores um panorama do que rolou na Semana de Engenharia Civil, com entrevistas e matérias exclusivas sobre o cenário de inovação nesta área. A Semana foi organizada pelo PET de Engenharia Civil da UFRJ e mostrou, como destacado na matéria principal ("Quebra de paradigmas"), como os engenheiros e estudantes de engenharia estão conectados com os principais problemas e desafios da sociedade atual.

Resgatando, com um olhar inovador para a construção civil, um problema de primeira ordem durante o verão brasileiro, um dos artigos explica como o estudo da mecânica dos solos pode solucionar problema dos deslizamentos de terra, de acordo com um engenheiro da UFRJ.

Em outro artigo sobre inovação, a engenheira da Eletronuclear Olga Simbalista defenda a energia nuclear, que já representa a segunda matriz elétrica do país. Mesmo com todas as polêmicas envolvidas no seu uso, Olga afirma que a energia nuclear surge como possibilidade e, no caso do Brasil, já é uma necessidade.A responsabilidade social e a engenharia civil são tema de artigo que explicita o plano de intervenções físicas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) nas regiões cariocas de Manguinhos, do Alemão e da Rocinha.

O diretor da Escola Politécnica da UFRJ fala sobre a Semana de Engenharia Civil. Para Ericksson Rocha e Almendra, a Semana é uma forma de o aluno se mobilizar em torno dos seus cursos. Walmir Lima Costa Júnior, bolsista do PET-Civil e organizador do evento, também comenta a atuação do PET.

Por fim, a professora da Escola de Comunicação da UFRJ Cristina Rego Monteiro descreve como o PET-ECO, coordenado pelo Prof. Dr. Mohammed ElHajji, estruturou uma eficiente Comissão Organizadora para a II Semana de Jornalismo da UFRJ. Um dos segredos do sucesso: alunos veteranos e calouros interessados, tutelados pela experiência de um professor orientador, exercitam ações responsáveis e conseqüentes.

DO "DICIONÁRIO FILOSÓFICO" DE VOLTAIRE



"Que são, que me importam a humanidade, a beneficência, a modéstia, a temperança, a doçura, a sabedoria, a piedade, quando meia libra de chumbo atirada a 600 passos me inutiliza o corpo e morro aos vinte anos entre padecimentos inexprimíveis, no meio de cinco ou seis mil agonizantes, enquanto meus olhos que se abrem pela última vez vêem a cidade em que nasci destruída pelo fogo e pelas chamas, e os derradeiros sons que meu ouvido percebe são gritos de mulheres e de crianças que expiram sob as ruínas, tudo pelos pretensos interesses de um homem que não conhecemos?"

AVISO A SESu: NOSSA ENQUETE MOSTRA DESCRÉDITO SOBRE PAGAMENTO DE BOLSAS



Nossa primeira enquete do Blog mostra que a comunidade não está acreditando que a SESu conseguirá operacionalizar o depósito de bolsas e taxas acadêmicas diretamente em conta-corrente. Com a palavra, a SESu.

JOSEPH CONRAD ("O CORAÇÃO DAS TREVAS") DIRIA: "O HORROR, O HORROR!"

(no words ...)

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

RECORDE: 15.000 ACESSOS (E NAS FÉRIAS!)



(Fonte: SITEMETER)

domingo, 4 de janeiro de 2009

UM POUCO DE PASSADO ... MUSICAL

video

(Dust in the Wind - Kansas)

sábado, 3 de janeiro de 2009

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

SOMETHING ...

video

GEOPOLÍTICA NO BLOG PETBRASIL



A ferramenta FEEDJIT (é só clicar no mapa do lado direito do Blog), recém-incorporada ao PETBRASIL, permite que, por exemplo, sem a necessidade de baixar programas como o GOOGLE EARTH, que se dê uma olhadinha via satélite na zona de conflito entre palestinos e israelenses, na Faixa de Gaza. Bom sobrevôo e boa aula de história e geopolítica.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

FELIZ PETBRASIL NOVO - QUE VENHA 2009!

(click na figura para vê-la ampliada - cada bandeirinha significa um acesso contabilizado pela ferramenta FEEDJIT recentemente instalada no Blog. Feliz 2009 a todos!)